segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Resultado Promoção Pipeline

Bom, valeu a participação de todos, que não foram poucos, nem muitos. Tivemos 14 finais diferentes. A escolha se deu por um final um tanto atípico que, mesmo acreditando não acontecer, foi engraçado. Quem enviou foi Rosana Costa, 22 anos, surfista do Rio de Janeiro, e levou o mérito.
Infelizmente não consegui nenhum prêmio para dar ao vencedor, mesmo tendo tentado assinaturas de quase todas revistas especializadas em surf do país. Pelo visto, sai muito caro pra eles. Haha

Veja como ficou a história completa:



Uma história escrita em Pipeline

Pipeline acorda clássica. 10 pés plus com a maré seca e tubos insanos. É chegado o grande dia. Mais um Aussie será coroado campeão mundial no berço do surf. Os olhos do mundo voltam-se após anos para aquele lugar mágico. Serão apenas 30 minutos. 30 minutos em que a glória e o fracasso caminham lado a lado. Mick e Parko revivem a saga de Andy e Kelly em 2004. Mas quem? Quem? O nervosismo dita o ritmo da bateria. Em sua primeira onda, Parko desce uma bomba e tem sua prancha quebrada ao meio na bancada. A praia inteira vai ao delírio. Um aperitivo a altura do banquete que estaria por vir. Fanning é cruel, frio, calculista. Nos poucos minutos em que Joel se ausenta, o Aussie tira da cartola um 9.17, e apimenta a grande final. Aquela nota abala Parko que, pressionado, encontra mais uma vez a afiada bancada de coral, tendo que novamente sair da água em busca de uma nova prancha. Os Deuses Hawaianos parecem não querer coroá-lo com seu primeiro título. Mick tem o relógio a seu favor, e sabe como usá-lo. Não abusa. É seletivo. Mas Joel está lá novamente, remando forte no outside. Desistir nunca foi a dele. O locutor anuncia: 15 minutos para o término.

Uma corrente de adrenalina toma conta da praia. Parko tem a prioridade, mas nenhuma nota que entre no somatório. Está ansioso. O drama da contusão parece não sair de sua cabeça. Lá vem ele em mais uma bomba, desce no limite, entuba fundo, corre, corre e sai na baforada. Comemora com nada menos que 4 socos no ar. Volta a ser o Joel Parkinson que conhecemos. Aquele 9,5 o colocou de volta na bateria e liderança provisória, já que Mick ainda espera a nota de outro bom tubo. E ela sai: 8,17. A pressão muda de lado novamente. O toque de 5 minutos é anunciado. Mas é Fanning que vem novamente em mais uma esquerda. Sua técnica encanta. Ele não dá chances, e completa o tubo com exímia perfeição. Comemora como campeão. Pode ser a nota do título. O 10 unânime é anunciado. Ele sente o gosto do bi campeonato. Restam Apenas 2 minutos. Só um milagre salva Parko, que tem a prioridade e precisa de uma nota acima de 9,7. Uma série monstruosa aponta no horizonte.

Os 2 remam forte. Parko, que tem a prioridade, vai na melhor da série mas é engolido pela onda. Não restam dúvidas, Mick será campeão. Parko ainda consegue voltar ao Outside. São apenas 30 segundos. Só uma onda milagrosa para salva-lo. E ela vem. Fanning com a prioridade não dá chances e dropa a morra, não sabendo que a melhor da série seria a próxima. Parko rema forte e dropa. A sirene apita. A essas alturas Mick na beira da praia torce pra que ele não saia daquele tubo animal. Mas ele sai. Será que foi o suficiente? A praia inteira aguarda pela nota. Parko sai comemorando muito, precisa de um Hi-score. Fanning cumprimenta-o como se já prevê-se seu título. Ele sabe que o tubo foi um 10. A nota vem. Mas não o suficiente para virar a bateria. Joel se revolta, corre até os juízes, reclama da pontuação, não aceita sua nota. Na areia sagrada do Hawaii, o que se ouve são muitas vaias. Aquilo foi um 10, sim. O aussie segue descontrolado e joga sua prancha em direção palanque, quando um dos juízes tentam conte-lo. De nada adianta.

Fanning sente pelo companheiro. Sabia o quanto buscava aquele título. E sabe também que aquela nota foi injusta. No pódium, todos aguardam os protagonistas do espetáculo que, por algum motivo, não aparecem. Nem Mick, nem Joel. Ninguém entende nada. Mas eles não aparecem. A cerimônia novamente é regada a vaias, enquanto espalhavam-se rumores de que os 2 foram vistos juntos depois da final em praia próxima, surfando altas ondas e sentindo o verdadeiro feeling do surf: a amizade e o respeito do que sempre serão os Cooly Kids do Surf Mundial.

Valeu a todos mesmo.
João Macias, Dado(quase sua história foi a escolhida), Roberta Marques, Marcio Gean, Cassios bustos, Carmelo Dias, Gustavo Arruma, Leon Amíbio, Tita ambrósio, Carla silva, Marcos Mutti, Patrícia Freitas e Alexandre Roberto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fala que eu te escuto. Aqui é tudo liberado.