segunda-feira, 29 de junho de 2009

Gringos de cabeça feita deixam brazucas com dor de cabeça

-------------------------------Fanning focado e quebrando na Vila
-
Será que somos motivo de piada nas rodas de surf mundo afora? Porque depois do que eu assisti na Vila, é a única pergunta que não tenho resposta hoje. Eu sempre defendi e defendo o Brasil com unhas e dentes em todo lugar que vou. Se não temos as melhores condições do mundo para o Surf, também estamos longe de ter às piores. Pelo contrário, no Brasil tem onda boa sim. O negócio deve ser surf e atitude mesmo.

Nenhum Brasileiro passou direto para a 3° fase. É isso mesmo, acredite se quiser, nenhum. Dentro de casa, dentro do nosso quintal, no nosso estilo de onda preferida, com a torcida em peso (galera fez sua parte) gritando, apoiando e pressionando os juízes a todo o momento, isso não pode acontecer. É inadmissível. Não aceito o Heitor depois que ganhou a repescagem, contra um adversário medíocre, que não surfou porra nenhuma, dizer que a primeira fase não vale quase nada, “é só pra esquentar, testar prancha”. Ah para com isso. Que bela desculpinha furada. Tiveram semanas antes do evento para treinar, “testar a prancha” e se preparar para vim com tudo, quente e fervendo.

Troquei uma ideia com o Fanning domingo cedo pela manhã, no Rosa Sul, antes de entrar na água (pena que ele desistiu pelo Crowd e não dividimos o Outside) e percebi um cara focado ao extremo. Procurando as ondas desde cedo, querendo treinar, conhecer o pico. Isso reflete sua bateria de sábado. O cara é quem mais quebrou até agora, fez um 9.5 em que a praia inteira aplaudiu de pé a onda, inclusive eu. Pra ele, foda-se se é no Brasil, África, Japão,1° fase ou final, a concentração é a mesma. O albino comemorou muito sua onda. Isso resume o que eu falo.

Mineirinho fez uma bateria ridícula na 1° fase e depois, na repescagem, não surfou bem, mas sabia que o adversário não oferecia nenhum perigo. E falando em Brasileiros convidados, admiro muito o surf de cada um, mas nossos atletas não tem condições alguma de disputar uma etapa de WCT deste nível. A distância ainda é muita grande. Tá provado que raça no surf não vale quase nada se comparado ao futebol. Olhem as 2 baterias do Jirahd. Analisem. Sejam neutros. É muito erro. Não pode cair tanto assim em ondas boas. Brothers meus que, mal entendem de surf e foram pela curtição, olhavam minha aflição a cada manobra e perguntavam “mas esse cara é bom?”, “não tem nem graça, o cara cai e os gringos não”, e por aí vai.

Sorte aos que ficaram. Mineiro, Heitor e Neco. Porque sem ela, o pódio será gringo novamente.

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Antes do Sol Raiar

]

Acordo extasiado. Mal consegui dormir. Minha gata ainda esfrega os olhos e reluta contra o sono (ela odeia acordar cedo). Corro até a janela, verifico que a lua ainda brilha no alto da noite. Meus cachorros percebem minha agitação, ficam inquietos. Eles sentem tudo. O grito de despertar ecoa pelos quartos da casa. Todo mundo pula da cama. O silêncio da rua dá lugar a correria interna. Enquanto alguém prepara o cafezão regado a vitaminas, no pátio a movimentação é intensa amarrando as pranchas em cima do carro. Para o clima estar completo, o combustível também está sendo enrolado e, no aparelho de DVD, Fanning já exibe suas rabetas e rasgadas com a trilha sonora do “Queens of the Stone Age”, em Mick, My Self and Eugene. Paulada pra cabeça.
-
Ninguém consegue conter a adrenalina. Comida e água no pote dos Dogs e tá feito. “Vamo, vamo” escuto um fissurado gritar. Mais uma conferida na parafina, nas quilhas e já era. Mochilas dentro do carro e o guerreiro Fiesta Verde estremece seu motor. Alguém abre o portão e na sequencia pula pra dentro do carro. Engato a primeira e, ainda antes de acelerar, vejo Aloha, Thoppo e Rasta(meus dogs) parados do outro lado sem entender muita coisa. Que pena. Mal eles sabem que eu estou indo ver o Filé Mignon do Surf mundial. Bora bora, temos que chegar no Rosa antes do sol raiar. Já são 4:30 am.
-
A adrena é tamanha, que a previsão desta vez não é das ondas. É do roteiro desta noite.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Melhor bateria do WCT 2008 - Taj X Raoni

Raoni bem que tentou no início. Deu pinta que ia complicar. Aí olho pro lado e viu quem era. Ih, fudeu.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Na Corda Bamba

A turma que está sempre em cima do muro, ou seja, podendo tanto cair para o wqs quanto permanecer no wct, é a que vem a seguir. Com raras exceções, a maioria tá mais pro lado queimado da grama.

Amargando dois 17° e um 33° vem uma galera tentando o quase impossível: uma façanha na Vila. Tiago Pires(POR), que chegou a ser promessa, com um surf fraco e sem expressão, não representa mais perigo algum. O insano Dustin Barca(HAW), que ainda não mostrou seus bonitos aéreos, pode surpreender. David Weare(ZAF) nem tem o que falar. O experiente Tim Reyes(USA), que em 2006 quase foi Top10 e vem mal este ano, mas tem um surf forte e agressivo. E o brazuca Heitor Alves(BRA) que vem apresentando um belo surf e fez ótimas baterias este ano, mas não deu muita sorte nos adversários que enfrentou. Aliás, diante de tanto casca-grossa, tem como ter sorte?.

Pouca coisa melhor na tabela, com três 17°, vem Tim Boal(FRA) em sua primeira temporada e com um surf que não encanta muita gente. Dayyan Neve(AUS) que em 2008 conseguiu um suado 19°. E o careca de ouro, Kelly Slater(USA). Não tenho palavras.

A seguir, com dois 33° e um 9°, ambos em Gold Coast, Chris Davidson(AUS) que pelo jeito não sabe o que quer da vida, voltando ao WCT novamente. E Dane Reynolds(USA), o garoto prodígio, o futuro Slater da mídia, que daqui a pouco vai se conscientizar que o negócio dele é ficar dando aéreo no FreeSurf, porque na competição, ainda falta muito.
-
Só publiquei essa matéria porque já tinha escrito ela ontem. Tô achando chato essa porra de posição pra cá e posição pra lá. Não to afim de ir a padaria hoje. Talvez amanhã o cheiro do pãozinho de queijo me atraia novamente. Ou não. Daqui pra cima, é tudo fera, todos vêm pra ganhar. E é isso. Blé.

Bom dia a todos. Se assim conseguirem.


terça-feira, 23 de junho de 2009

Extra! Extra! Swell Camarada vem aí!

-------------------------------------------------------------Coisa linda se a Vila estiver assim


Eis então quem se aproxima, cada vez maior, mais insano e forte como um touro; ele, o pirata aventureiro dos 7 mares, amante das previsões, habitante dos sonhos de qualquer surfista, trazido por um leve vento sul e com data de chegada para sábado, o dia sagrado para muitos. Vamos recebê-lo com muitas rabetadas e pauladas de Front ou Backside, o então e tão esperado SWELL DE SUL.

Raça, ele vem mesmo. E sábado a Vila vai bombar.

Dá-lhe Mineirinho. Quebra tudo Heitor. Muita raça Jhirad.
--
Sem esquecer dos convidados que, tenho a certeza, vão representar bem: Pigmeu, Gui Ferreira (Quebra moleque, a torcida vai ser grande. SC bem representada) e Gustavo Fernandes

Os Haoles do Tour


Eles são aqueles caras que quase ninguém lembra, as zebras que pagam 10 pra 1 nas mesas de apostas, e se você escutar falar deles antes de alguma etapa, certamente não será pelo surf. Mas calma molecada, quem é Top45 é Top45, peraí né. Vamos concordar que estar na elite do surf não é para qualquer um. Tem que quebrar. Só que ao contrário de outros esportes como a F1, onde o motor, a equipe e outros detalhes influenciam bastante em uma corrida, na competição o surfista depende só dele para chegar, afinal, quiver todos têm de alta qualidade.

Esse comparativo fez minha cabeça imaginar o Barrichelo surfista. Mesmo com uma nave sobre os pés, era capaz de atropelar um mergulhão ou se afogar com a cordinha do lesh.

Brincadeiras a parte, vamos ao que interessa. Amargando a lanterna com três péssimos resultados, 33° em cada etapa, Nathaniel Curran(USA) e Michael Picon(FRA) vem a Vila para o quase tudo ou nada. O americano que ganhou o WQS ano passado prometia mais. Faltou experiência, mas surf ele tem de sobra. Não deve ir longe no Brasil. Já o francês praticante de Jiu-Jitsu, está em sua 3° temporada na elite e não empolga muito. Com um surf pra lá de meia boca, o cara até que manda bem nos tubos, e só.

Passando apenas 1 bateria nas 3 primeiras etapas, vem uma turma que também não motiva ninguém, nem mesmo o escritor desta coluna. Marlon Lipke(GER), que estréia no tour, não fez nem vai fazer nada este ano, só figurar. O veterano Greg Emslie(ZAF) com seu surf pra lá de feio, só deve conseguir algum resultado na próxima etapa em Jeffreys Bay e olhe lá, onde conhece bem o pico. Nic Muscroft(AUS) é outra incógnita, o australiano tem uma surf moderno, com boas cavadas, atacando sempre o lip e vem de bons resultados no WQS, mas até agora nada. Pode surpreender. Direto do Thaiti e mestre em tubos, Michel Bourez(PYF) também estréia no tour e não vai encontrar ondas que são sua especialidade. Senão remar muito, fica logo de cara. Aloha, e aparece Roy Powers(HAW), representante do berço do surf, o Hawaii. Esse maluco já conseguiu bons resultados no WCT, passou baterias difíceis e não é nenhum novato. Rodo o tubo, o cara quebra. Mas na Vila, pelo tipo de onda, não deve ir muito longe. Outro que começou mal a temporada, mas tem um surf competitivo é o Aussie Ben Dunn(AUS), que com cavadas fortes e conhecedor da onda da Vila, pois já fez bons resultados aqui, vem para se recuperar na temporada. Da lista dos Haoles é quem pode conseguir melhor resultado. E para finalizar, ele, o cara que leva o espírito vagabundo e drogado do Surf ao pé da letra, Chris Ward(USA). Esse americano é uma figura. O maluco tem um puta talento, se jogou cedo de cabeça no álcool e teve que dar um tempo, depois conseguiu bons resultados e pelo que fez ano passado(14° no ranking), mudou um pouco de atitude. Mas nesse ano, ainda tá devendo. Não vem a passeio, a não ser que caia na noite, como vários sempre fazem. Jordy Smith que o diga.

Agora que você já sabe quem são os atuais Haoles do Top45, faça sua aposta em alguns deles ou espere pela próxima turma, que não é lá grande coisa, mas já deu uma cutuca em alguns tops este ano.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Semana WCT Hang Loose Pro

Hoje começa, pelo menos pra mim, a semana WCT. Vou tentar cumprir com meu objetivo que infelizmente é influenciado pelo pouco tempo livre que tenho (8 horas trabalhando por míseros trocados tá foda. Regras de um mundo capitalista. Tenho que comer né? Ha ha), de traçar paralelos e análises sem ter que seguir palavras bonitinhas e construindo textos bundas que nossos “sites de surf especializados” estão acostumados. Bom, fuck all e atenções voltadas só para o que interessa.

O campeonato deve começar no sábado, ao contrário do que eu havia apostado no meu comentário anterior. Hoje já temos a previsão de que mesmo com a grande ondulação de Sul entrando quarta-feira, um novo Swell, também de sul, entrará no sábado, mas com tamanho menor. Conhecendo a Vila, acredito em ondas em torno de 1 a 1,5 metros.

A gringalhada tá chegando em peso hoje e com sangue nos olhos. Não tem como prever resultados, mas a partir das características, o histórico e o momento de cada um, nosso palpite tem uma boa base, seja de front e ou de back. E isso, é o que vou explorar ao longo da semana, classificando os atletas por blocos, devido a suas classificações atuais e começando pela parte de baixo da tabela, ou seja, os famosos haoles do Top 45.

Que toque a corneta e comecem as baterias.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

O Rei da Vila e seus Súditos

Me chamem de otimista, digam que sou louco, mas espero pelo melhor WCT da história no Brasil. Tudo promete. Principalmente as ondas. Essa é a época em que recebemos mais ondulações grandes de Sul. Inclusive este ano, é só o que tem dado por aqui. Enquanto o futebol vem perdendo seu glamour pela violência, altos valores, dificuldade de acesso nas grandes cidades e horários comprados, que só prejudica quem realmente vai ao estádio, o surf vai nessa contramão. É o esporte que mais cresce no mundo. E mesmo com Slater em má fase, a disputa pelo título mundial nunca foi tão cobiçada, disputada e acirrada.

Ao longo da semana, vou falar das ondas, traçar um paralelo entre os países que estão na disputa, quem vem forte, quem vem pra ganhar. E dedicar um post especial as ondas da Vila, que essa época do ano quebram de gala.

Infelizmente, já adianto que um bom Swell de Sul se aproxima e tem previsão para chegar aqui na quarta-feira, atingindo seu ápice na quinta. O tamanho deve chegar a 2,5 metros, mas o campeonato só começa no sábado. Uma pena, esse swell era perfeito para o início das disputas.

Mas como em um mundo de contradições, depois da notícia ruim vem a boa. O campeonato não começando no sábado, a dica é curtir a excelente banda “The Beautiful Girls”, liderada pelo Matt Hughes, no festival de música do Rosa. Como o valor é salgado, e coisas salgadas me lembram lugares em que adoro estar, eu vou é surfar o dia todo. A semana vai ser agitada. E espero que a marolinha, segundo nosso ilustre presidente, se transforme em cilindros gigantes com espaço para estacionar um ônibus. Agora, alguém viu Rodeo Clown que o Jordy Smith acertou facilmente em Mentawai?


Rodeo Clown - Jordy Smith




The Beautiful Girls - Freedom



Publicada também
http://www.nextsurf.com.br/home/view.asp?paCodigo=7150

quinta-feira, 18 de junho de 2009

Altas ondas e uma arraia solitária


Quando juntei minhas trouxas para morar em Floripa, há mais ou menos 1 ano e meio, mesmo com um bom emprego garantido (a convite de uma agência de propaganda), minhas grandes motivações eram apenas duas: a paixão pelo surf e trabalhar com algo ligado surf (esse ainda estou atrás). Lá no Sul, apesar da abundância de surfistas, o surf é de difícil acesso e sempre tínhamos que nos jogar para o Uruguai ou mesmo para Garopaba e Floripa em busca de boas ondas.

Mas outra razão também colocava minha adrenalina lá em cima: dividir o outside com caras que, além de ídolos, eu via quebrando nos vídeos e filmes. Era a chance de puxar a malandragem de um, o estilo de outro, e por aí vai.

Quando cheguei ao Rio Tavares, sabia que ali tinha ondas pesadas e malucos que quebravam. Logo descobri que um deles era o Binho Nunes. Então pensei, porra o Binho mora aqui, caralho, puta que pariu, vai toma no cú. Minha expectativa era grande de ver ele na água e não poderia ter sido em melhor situação.

Não lembro o dia exato, mas era dia de semana e a previsão marcava uma grande ondulação de Sul (Swell de Sul entra forte e cavernoso aqui). Como deveria ser lá por Outubro, escurecia bem tarde. E falando em tarde, eu quase não consegui trabalhar quando vi as fotos da Joaca quebrando 2 metros perfeito. A ansiedade já era minha companheira inseparável. Queria sair daquele aquário de gente, correr pra casa e me jogar nas morra. Foi o que fiz. Peguei minha 6,4´ e mais rápido que o Usain Bolt cheguei a praia. Só que para meu espanto, quando cruzei a trilha, me deparei com uma série monstruosa ao fundo, que quebrou um tubo insano, mas fechando. Era assustador. Tive medo. Procurei qualquer coisa na água e avistei uma alma solitária no Outside. Não pensei duas vezes e me joguei. Antes de tomar a primeira na cabeça, assisti de frente e de camarote, aquele maluco botar pra baixo numa direita, entubar fundo, dá uma acelerada e rodar junto com o lip. Nossa, quem é esse cara?. Até pensei em voltar, mas quem tá na chuva é pra se molhar. Varei a arrebentação, percebi que era o Binho, esperei uns 20 minutos pela onda certa, desci a morra e me fui.

Na areia, ainda o vi botar pra baixo em mais umas cinco ondas cabulosas e sair fora. Subimos juntos as dunas. Ele de cabeça feita pelo surf. E eu por ter dividido o Outside com um dos meus ídolos, em um dia que poucos se arriscaram.

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Sonhos de um sonhador

-
Algumas palavras não muito recentes que escrevi para uma revista local e que, posteriormente, foram publicadas no Waves.
-
http://waves.terra.com.br/novo/layout4.asp?id=34327&sessao=55
-------
---
http://waves.terra.com.br/novo/layout4.asp?id=29086&sessao=55


Ps.: Na próxima vou falar sobre um cara casca grossa, free surfer profissional e meu vizinho. Cada vez que ele tá na água, o show é em grande estilo. Quem será? Tatuado, reside em Floripa e Tube rider. Palpites?

terça-feira, 16 de junho de 2009

Apostei alto. Jadson André vai ser o cara.

Quando o Mineirinho surgiu como mais uma promessa do surf brasileiro, muita gente levantou a bandeira da desconfiança, e eu fui uma delas. Tantos foram os que ficaram para trás, que não dava pra jogar todas as fichas num cara com um surf bonito, mas com pouca força e experiência. Quebrei a cara. E fico feliz por isso. Mineiro refinou seu surf, colocou força nas manobras, se dedicou aos treinamentos e hoje é Top10 com cadeira cativa. Acredito nele em qualquer pico e contra qualquer gringo metido a superhomem. Concordas comigo, né Jordy Smith?
----------------
Mas o caso é que, Jadson André vai ser o cara. O moleque tem atitude, é destemido e tem um surf muito atual, com um repertório de aéreos que deixa qualquer um de boca aberta. Sem falar em sua frieza nas baterias. Neste aspecto me lembra muito o Andy. Quebrando no wqs e com vaga praticamente garantida para o wct em 2010, o garoto vai chegar longe logo em seu primeiro ano na elite. E eu, depois de anos longe das mesas de apostas, voltei e joguei alto. Cuidado a quem está do lado contrário, minha mão é boa e vem um Royal Street Flush por aí, na nossa gíria do surf, o tão sonhado título mundial. Agora é contigo voador dos mares.