sexta-feira, 10 de abril de 2015

Lembranças me fazem escrever. Talvez só por hoje!


O que seria da vida sem as lembranças?
Lembro de tantas.
Andy perdendo injustamente para Slater na última onda num Bell’s Beach clássico.
O frio na barriga de chegar na Ozzie com uma mochila nas costas.
A primeira onda em Bali. O primeiro encontro com os corais.
O 3x2 histórico com 2 jogadores a menos no Bra-Pel.
Lembro de tantas, que as vezes esqueço de outras que seriam inesquecíveis.
A trilha da vermelha. A viajem do DMT. A fogueira em Naufragrados. O "flush Nuts" na mesa final. O show do Soja no "Opinião". Os milhares de pratos lavados. O olhar da menina solitária. As tristes despedidas (e foram tantas). Aquele doce que deu errado num domingo chuvoso. Aquela vaca na melhor onda do dia. Rrrrrr!!!!
Lembranças são como pequenas partes de um quebra-cabeça que vivemos.
A maioria deixa saudades porque não voltam, não importa o dinheiro que você tenha, quem você seja, o que você faça. Ao menos em uma coisa somos todos iguais! 
Lembranças são tristes.
a batida do carro na estrada. A notícia da morte de Andy. A derrota amarga no último minuto. A noite que nunca acabou. A prancha quebrada ao meio. O preconceito contra o mendigo. O cachorro atropelado.
Lembras são felizes.
O maior mar da vida. O primeiro tubo. A chegada na ilha. Um romance de inverno. O beijo roubado. O trabalho voluntário. O pôr-do-sol em Uluwatu. Assistir “into the wild” pela décima vez. Escutar “Woman no Cry” num trapiche qualquer. Ler "On the Road" jogado na rede.
Lembranças vão sempre te perseguir, quer você queira, quer não.
Do nada, aparecem sem avisar, assim como vento, assim como a morte.
Se você quer um conselho, lembre-se: lembre-se!
Por mais que dê saudades, por mais que sejam um labirinto sem saída, lembre-se!
Por mais que queiram ser vividas novamente, por mais que dê aquele saudosismo, lembre-se!
Porque sem elas, somos apenas uma praia sem areia, sem brilho e sem vida.
Lembre-se disso!